*mais sobre mim

*Junho 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

*posts recentes

* Acordar o blog adormecido...

* Hot Hot Hot

* ...

* A Sombra do Vento

* Há coisas que nunca mudam...

* Porque é que os jogadores...

* Como ser um verdadeiro ch...

* Novo morador

* Gata preta, gato branco

* Blogodependente

*arquivos

* Junho 2010

* Julho 2007

* Junho 2007

* Maio 2007

* Abril 2007

* Março 2007

* Fevereiro 2007

* Janeiro 2007

* Dezembro 2006

* Novembro 2006

* Outubro 2006

*tags

* todas as tags

*pesquisar

 
blogs SAPO

*subscrever feeds

Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2007

Votar em consciência

Faltam dois dias para o referendo sobre o aborto.

À 9 anos, houve o primeiro referendo em Portugal sobre esta questão que faz pensar e falar tantas pessoas. Nessa altura, o Não ganhou. Agora, passados alguns anos e alguns pedidos de modificação da lei do aborto, vai haver novo referendo e todos os portugueses devem ir votar. Em 1998, ainda era menor, por isso a questão do referendo e do aborto passaram-me um pouco ao lado, mas agora, com 22 anos, já vejo as coisas de maneira diferente, já tenho opinião e devo manifestá-la através do voto.

Depois de dar a minha opinião em alguns blogs que há por aí no mundo virtual, acho que está na hora de manisfestá-la aqui no meu blog. Muitas das coisas vou escrever aqui, já escrevi em outros blogs.

As pessoas tem livre arbitrio, por isso acho que cada uma tem o direito de pode escolher o caminho que quer, de fazer o que querem, mas isso implica também aceitar as consequências dos seus actos.

Eu vou votar Não no referendo, não por ser contra a despenalização, mas sim por ser contra ao aborto. Fui educada para respeitar a opinião dos outros, por isso respeito as mulheres que tomam a decisão, que com certeza não é de ânimo leve, de fazer um aborto por malformação do feto, perigo para a saúde da mulher ou até mesmo por questões financeiras, e acho que não devem sofrer qualquer tipo de pena por isso, já lhes basta a sua consciência. Mas se há mulheres que abortam devido a problemas financeiros, há também muitas que o fazem como método contraceptivo e é nesse aspecto que eu não consigo concordar.

Sou filha única. Depois de mim, a minha mãe ainda engravidou duas vezes, mas não tenho irmãos, porque ela sofreu dois abortos espontâneos e perdeu os bebes. Se calhar isto é puxar um pouco ao sentimento, mas enquanto alguns casais querem muito ter filhos e não podem, há outros que podem, mas não querem…por vezes, a vida é um pouco injusta.

Acho que o voto no Não é um voto egoísta. Na minha opinião, existe uma atitude egoísta quando uma mulher decide por termo a uma gravidez, porque num momento movido pelo prazer esqueceu de se proteger ou porque embarcou numa relação efémera de uma noite e também não se protegeu, esquecendo-se das consequências. O meu principal motivo por ir votar Não, é isso mesmo, não concordo quando há mulheres que abortam como método contraceptivo. Os contraceptivos devem ser pensados antes do acto e usados durante o mesmo, não depois!

 

Mesmo que o Sim ganhe, o que eu acho que vai acontecer, penso que o governo e as autoridades competentes não devem facilitar os abortos. O aborto se for pensado, deve ser visto como ultima das últimas soluções. Defendo que devem ser dadas condições antes de se pensar nessa solução: implementar, mas a sério, a educação sexual nas escolas; e dar incentivos ou ajudas financeiras a quem não pode criar os seus filhos.

Para além da opinião sobre a minha intenção de voto também quero partilhar algumas coisas que eu tenho vindo a analisar e a pensar. Existem vários argumentos que algumas pessoas que vão votar sim que usam contra as pessoas do Não que eu não concordo. Sinceramente, para mim isso até nem são argumentos são, de certo modo, desculpas.

Uns dizem que quem vai votar Não são os católicos. Sim, eu sou católica e sim vou votar Não. Não vou votar Não só porque sou católica e oiço os padres durante a missa, vou votar Não, porque sei pensar por mim e tenho opinião formada.

Outros dizem que os padres não devem fazer propaganda pelo Não nas missas. Durante a homiliia em que se comenta as leituras ou os evangelhos também não concordo, mas no fim da missa porque não um padre dar a sua opinião?? Se há líderes politicos, actores, músicos, humoristas, dão a sua opinião e até a mostram na televisão, porque não um padre pode defender a sua??

Por fim, há pessoas que defender o Não ao aborto é coisa demodé, uma coisa antiga e o que está na moda é dizer Sim ao aborto. Isto não é uma questão de estar na moda, ser actualizado e estar à frente, é uma questão de valores e principios e cada pessoa tem e defende os seus. E isso não é uma coisa que passa de moda...

Não apelo a que votem no Não. Apelo que votem em consciência, no que acham melhor para o futuro...

 

publicado por Marisa às 13:34
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Ricky S a 9 de Fevereiro de 2007 às 18:08
É já domingo que os portugueses, de plena consciência, vão dar o seu parecer em relação à questão que tem dominado o panoram político e socio-cultural do nosso país. Eu pessoalmente tenho passado ao lado da questão, não por ahar que isso não me diz respeito muito pelo contrário acho que é uma questão deveras importante e diz respeito a todos nós, tenho estado um bocadinho à margem pois eu já há muito tempo que tenho uma opinião formada sobre o assunto e hoje em dia mantenho-a inalterável, pois há valores e principios pelas quais eu não abdico E é subscrevendo inteiramente tudo o que tu disseste que eu no domingo também vou votar não.

Comentar post

*links